Fábio Eleutério retorna às arenas depois de dois anos afastado

By: Jorge Cardoso / PBR Brasil  sábado, 1 de junho de 2019 @ 13:24

Foto de Alberto Gonzaga / PBR Brasil

Highlights

  • No segundo round, Eleutério encarou o touro Samurai, da Cia F. Bulls, mas não pontuou
  • No terceiro round, que ocorre neste sábado, 1 de junho, ele pega o touro Agente, da Cia André de Mogi
  • Neste momento, ele é o 17º colocado na etapa

O clima no fundo dos bretes na primeira noite da etapa da PBR (Professional Bull Riders) Brasil em Divinópolis era o mais descontraído possível. Competidores andavam por todos os lados, conversavam, tiravam dúvidas sobre os touros, acertavam os últimos detalhes para o início das montarias.

À primeira vista, Fábio Eleutério estava ali simplesmente colocando os papos em dia e se preparando como todo mundo para mais um desafio. Ansiedade boa, como dizem os competidores, mas algo normal na vida desses atletas.

Para ele tinha algo a mais.

Depois de dois anos afastado das arenas, Eleutério estava ali para algo muito maior que apenas montar bem e buscar o título da etapa. Ele estava envolto em pensamentos que o levariam para uma das decisões mais importantes da vida.

Depois de uma temporada perfeita em 2015, o ano seguinte começou a testar o emocional do competidor, e tudo começava justamente em Divinópolis.

“Eu havia sofrido uma lesão. Nesta mesma arena, eu cai e senti dores mais fortes. Fiz alguns exames e descobri que precisaria fazer uma operação no ombro esquerdo”, explicou.

Desta forma, ele se afastou das arenas e muita coisa mudou. “Entreguei tudo nas mãos de Deus e confiei. Resolvi que tinha de me afastar e buscar uma cura de verdade. Eu estava preocupado, mas a ajuda da minha família, especialmente da minha esposa Franciele, e minha fé, eu decidi fazer de tudo para ficar bem e seguir meu sonho”.

Eleutério deixou a montaria e conseguiu um emprego e uma empresa gigante, com uma unidade em Votuporanga, interior paulista. Assim conquistou sua vaga, teve a notícia de que também seria pai.

“Tudo começou a dar certo. Eu entrei em uma grande empresa, consegui um bom salário e um plano de saúde que foi importante para mim e para minha esposa. Ela fez todo o pré-Natal e o tratamento com os médicos que ela quis, cuidando muito bem dela”.

Em julho, no dia 6, chegou ao mundo a pequena Antonella Fontes Eleutério. “Ela me inspira a ser melhor a cada dia, me faz uma pessoa ainda mais feliz. É um verdadeiro presente de Deus”.

 

Em novembro do mesmo ano, ele fez a cirurgia definitiva no ombro esquerdo. “Cheguei a tirar um osso do quadril. Era uma lesão grave. Estou me adaptando ainda a montar com a mão mais baixa, mas estou confiante e muito focado. Treinei em três touros antes de vir para Divinópolis. A primeira montaria eu já senti que podia fazer mais”.

E o retorno foi com uma montaria sobre o touro Dominó, da Cia Califórnia. A nota, mesmo que tenha sido 81,50, significou muito para ele. A comemoração na arena foi um grito de alívio e uma afirmação de que ele estava de volta.

“No segundo round eu não pontuei. Mas confesso que não me importei em nada com isso. Pra mim, a montaria foi perfeita porque significou que meu ombro não dói”, explicou.

Assim, Eleutério conclui que neste momento, o mais importante é saber a situação do ombro e se sentir seguro para seguir com sua decisão de continuar montando. “Vai ser novamente um retorno importante a Divinópolis. Quero estar bem para seguir a temporada e voltar à boa fase. O meu sonho é ser campeão mundial, mas meu propósito é ter uma carreira vitoriosa e dar o melhor possível para minha família”, concluiu.