Quais são as maiores rivalidades da história da PBR?

By: DARCI MILLER  terça-feira, 28 de dezembro de 2021 @ 12:53

Foto cortesia de Matt Breneman / Bull Stock Media

PUEBLO, Colorado. - No esporte, não há nada como uma boa rivalidade para realmente impulsionar a competição, e a PBR está cheia delas.

Seja homem contra touro, homem contra homem, ou mesmo país contra país, a PBR teve sua cota de disputas acirradas ao longo de sua história.

J.B. Mauney vs. Silvano Alves

De 2011 a 2015, ninguém que não se chamasse J.B. Mauney ou Silvano Alves conquistou um título mundial. Os dois estavam de igual para igual como dois dos maiores competidores que “pediram a porteira”, e os fãs foram agraciados com uma das maiores rivalidades que o esporte já viu.

Alves se tornou o primeiro competidor a ganhar títulos mundiais consecutivos em 2011 e 2012, antes de Mauney fazer história na Final Mundial de 2013. Ele realizou uma das reviravoltas mais dramáticas da PBR ao vencer a etapa da Final Mundial e o título mundial após estar em décimo lugar na volta do break de verão.

“O objetivo era ganhar o mundial, e foi isso que eu coloquei na minha cabeça”, disse Mauney. "Se eu cometesse algum deslize e um touro me derrubasse, eu não me preocupava. Se eles te derem outro touro amanhã, faça esse valer a pena”.

Em 2014, Alves estava no topo novamente, tornando-se o segundo competidor a ganhar três Campeonatos Mundiais e fez isso vencendo também a Final Mundial. Na sequência, foi a vez de Mauney ser outra vez coroado, em 2015.

“Eu sempre soube que ele ia parar nos touros”, disse Mauney sobre Alves. “Então, se existisse alguma chance de ganhar um título mundial enquanto ele estava ganhando tudo, eu teria que parar em cada touro que eu montasse. Essa era a única maneira de competir com ele, porque você sabia que ele ia parar em tudo”.

EUA x Brasil

Quando se trata de potências nacionais no mundo da montaria em touros, nenhuma nação chega perto dos Estados Unidos e do Brasil. Na história da PBR, apenas um campeão mundial não foi brasileiro ou americano (o australiano Troy Dunn conquistou o título mundial em 1998).

Em nenhum lugar essa rivalidade é mais pronunciada do que na PBR Global Cup, onde a equipe dos EUA e a do Brasil dividiram as vitórias com duas para cada.

“Parece que tem sempre um brasileiro e um americano na caça ao título mundial todos os anos, e isso realmente acrescenta muito para o esporte”, disse o campeão mundial de 2016, Cooper Davis. “Não há dúvida de que a rivalidade é real, mas é uma rivalidade amigável e torna todo o esporte muito mais divertido do que apenas ser um esporte americano.

“Nossas rivalidades são muito diferentes. Somos todos muito próximos. Somos todos realmente bons amigos e a única rivalidade está na arena. Você está torcendo pelo seu país, mas, ao mesmo tempo, aqueles caras que estão no outro time são tão bons amigos quanto os que estão no seu time”.

Jess Lockwood x José Vitor Leme

Em 2017, um jovem chamado Jess Lockwood ganhou o título mundial, enquanto um fenômeno brasileiro desconhecido chamado José Vitor Leme ganhou o título do evento da Final Mundial e Revelação do Ano. Foi uma performance que gerou uma rivalidade potencialmente lendária.

Em 2019, Lockwood e Leme travaram uma disputa acirrada pelo título mundial e trocaram golpes até a Final Mundial. Embora Leme tenha começado o evento como número um, Lockwood saiu de trás para ganhar seu segundo título mundial. Leme se vingou em 2020 e 2021, juntando duas das melhores temporadas da história da PBR para se tornar o segundo campeão mundial consecutivo.

“É como J.B. e Silvano”, disse Lockwood. “Você tem alguém lá para te pressionar todo fim de semana. Ele vai se sair muito bem, fazer grandes montarias, então você não tem escolha a não ser subir o nível se planeja derrotar o cara.

“Você nunca vê (o Leme) passar por uma fase em que ele está mal. Ele pode ter algumas montarias ruins, mas nunca é uma constância. Ele pode fazer uma montaria de mais de 90 pontos na próxima vez, e isso é fácil para ele. Você nunca o vê passar por altos e baixos”.

J.B. Mauney vs. Bushwacker

J.B. Mauney é conhecido como o matador de dragões por sua habilidade lendária de montar os touros mais ranqueados da PBR. E houve poucos touros - se é que houve algum – mais bem ranqueado que o tricampeão mundial YETI Bull Bushwacker.

Bushwacker já derrubou 42 vezes seguidas - incluindo oito tentativas do próprio Mauney. Depois de sua primeira tentativa, Mauney admite que “meio que estava bravo” e montou nele sempre que pôde. Em 2013, em Tulsa, Oklahoma, ele finalmente foi melhor do que extraordinário animal.

“Comecei algo que não pude parar até terminar”, disse Mauney. “A primeira vez que o peguei, as pessoas o vangloriavam, e ele teve pouco trabalho comigo. Nossa, isso me irritou, então da próxima vez que tive uma chance, eu o escolhi e ele fez a mesma coisa novamente. No final, era apenas uma espécie de honra. Isso me custou muito dinheiro, me custou a vitória de muitos eventos, mas eu sabia que eventualmente eu iria entendê-lo, ou ele iria cometer um erro. De qualquer maneira, eu iria montá-lo por oito segundos.

“Eu decidi: ‘Para ser o melhor, você tem que montar no melhor’ e, na época, ele era o melhor touro. Então, sempre que eu tivesse a chance de escolhê-lo, era isso que eu escolheria, e daria tudo de mim. Você tem que ter uma mentalidade diferente, e eu tinha na minha cabeça que iria vencê-lo. Eu não me importava quantas vezes levaria para tentar."